Como realizar o estudo de viabilidade de uma Gleba?

Como realizar o estudo de viabilidade de uma Gleba?

Primeiramente vamos entender o que é uma Gleba. Por definição, é toda porção de terra que nunca foi loteada ou desmembrada. Ou seja, uma terra crua, sem regulamentação e adequação das leis brasileiras e regionais.

Desta forma, podemos entender que a gleba na verdade, dá início ao lote. Se uma gleba é servida de infraestrutura básica (água, luz e esgoto) adaptadas as leis brasileiras, aí sim, é considerado como um lote.

Qual a importância do estudo de viabilidade de uma gleba?

Lotear é um processo complexo que leva muito tempo para ser concluído, dessa forma antes de iniciar sua implantação é preciso estudar se vale a pena ou não investir nele.

Nada pior do que iniciar uma jornada e ela não dar certo. Imagine a seguinte situação: Quando seu empreendimento não sai como o esperado, além de perder seu dinheiro o que já é bastante negativo, você perde principalmente seu tempo, que hoje é um dos recursos mais preciosos que temos.

Existem alguns tipos de viabilidade que são envolvidos em um projeto de loteamento, conheça agora o referente a uma gleba, isso porque, elaboração de análises se tornaram indispensáveis para que ocorra tudo bem no seu processo de loteamento.

Como realizar o estudo de viabilidade de uma gleba?

Para a elaboração do documento é preciso ter em mente as respostas das seguintes perguntas: 

  • Qual o melhor produto a se desenvolver no local?
  • Qual o tamanho de lote é permitido pela legislação?
  • Qual área líquida do empreendimento é vendável?
  • Quais serão os custos necessários à implantação?

Veja agora algumas dicas para realizar o estudo fácil e bem-sucedido de viabilidade de uma gleba seja bem-sucedido.

  • Conheça suas particularidades: É necessário descobrir detalhes a fundo sobre a mesma, saiba da sua situação real e realize a topografia dessa área o mais rápido possível.
  • Veja detalhes da cidade: Tenha dados pertinentes acerca do município. Informações que variam sobre: território, população, condição social e outras estatísticas, são de extrema importância, já que colaboram para um relatório mais preciso. Auxiliando dessa forma a decidir, qual o melhor tipo de empreendimento para aquela região.
  • Insira dados relevantes sobre o local: No seu documento deve conter informações como: Existem estações de tratamento de esgoto próximas a área da gleba ou algum aterro sanitário? Descubra também a previsão de crescimento urbano para aquela região.
  • Análise do mercado imobiliário local: Essa pesquisa é crucial, afinal, qual o sentido de lotear se não haver público interessado nesse tipo de empreendimento? Com base nisso, você também já consegue informações preciosas referente ao mercado local, saber se ele está aquecido para este tipo de empreendimento, por exemplo.
  • Análise da legislação municipal: Aqui utilizamos a lei de parcelamento do solo e de zoneamento. Para vencer essa etapa você precisa responder algumas perguntas essenciais que geralmente são: Quais parâmetros de ocupação a lei define para a gleba em questão? Qual o tamanho mínimo do lote? Quais os percentuais de doação pública? Qual sua área de zoneamento?
  • Estudo da declividade: Aqui é necessário saber as curvas de nível da área. Dessa forma se analisa as possíveis restrições de ocupação por conta da declividade, ou seja, é a relação entre a diferença de altura entre dois pontos e a distância horizontal entre esses pontos.
  • Análise das restrições ambientais e físicas: Como o nome diz é necessário fazer o levantamento topográfico, com ele verifica-se na gleba a existência de rios, matas, linhas de alta tensão e outros fatores determinantes na hora de calcular o que sobra de área ideal para o projeto.
  • Estudo preliminar do loteamento: Consiste em uma estimativa da área líquida vendável, do número de lotes que será possível fazer, da área de sistema viário e das áreas destinadas à doação pública.

Conclusão

Atento à todas essas questões, você já possui muito mais chances de progredir no desenvolvimento do seu projeto, portanto, não economize em informações, invista muito nesse quesito e saia na frente da concorrência.